ERA DIGITAL DA ECONOMIA | O que será dos pequenos comércios?

 

Segundo relatório da XP Investimentos, divulgado em fevereiro deste ano, é esperado para 2021 um crescimento superior a 32% nas vendas on-line, sendo que parte desse crescimento do comércio virtual está ligado aos serviços financeiros.

 

Outros estudos recentes mostram que os bancos digitais podem obter maior participação do mercado até o final de 2021 de maneira que mais de 70% das pessoas podem estar dispostas a migrar de bancos tradicionais para os digitais.

 

É evidente que o capitalismo está se adaptando juntamente com os avanços tecnológicos. A maneira em que as pessoas trocam seus interesses está puramente vinculada aos canais digitais.

 

Todos aqueles que querem ter êxito no seus negócios terão que implementar a tecnologia dentro de sua infraestrutura. Isso está cada vez mais claro nos dias atuais. No entanto,  há muitos pequenos comércios que não têm a estrutura necessária para implementar essa tecnologia nos seus estabelecimentos.

 

Como eles podem se adaptar as novas mudanças no mercado?

 

Dê uma olhada nas iniciativas tomadas por agentes da baixada santista

  • Banco Guaru-Digital

 

Uma das iniciativas da nossa região é o projeto do professor e economista Luiz Carlos Barnabé, o Banco Digital Sustentável do Guarujá, ou  Guaru-Digital. O projeto visa usar  tecnologia à necessidade de superação da crise mundial causada pela pandemia da COVID-19, buscando fomentar o comércio circular local.

 

O Guaru Digital propõe o funcionamento nas operações de contas digitais, com tecnologia que integra três itens fundamentais para os pequenos comerciantes: delivery, loja on-line e cash-back. Com atenção especial para as dificuldades desses comerciantes no atual cenário de restrições no funcionamento, transformando estabelecimentos em lojas virtuais com a mesma tecnologia que possuem as grandes redes varejistas

 

Essa publicação foi um resumo do Programa Protagonismo regional em Debate, nosso objetivo central dos debates é colaborar com a retomada do protagonismo político e econômico da região no cenário nacional, através da melhor exploração de suas vocações. Nosso foco está na criação de uma cultura de participação mais proativa da sociedade sobre temas ainda restritos às classes políticas e empresariais.